Lazer
Netflix estreia adaptação de super-heróis do Mark Millar

Legado de Júpiter é adaptação dos quadrinhos e mostra o conflito entre duas gerações de super-heróis na Netfix

O Legado de Júpiter é um dos lançamentos da Netflix para 2021 que vão enlouquecer o público. A série é uma adaptação dos quadrinhos homônimos de Mark Millar e Frank Quitely, de 2013, e promete ser o novo fenômeno no gênero de super-heróis, seguindo os sucessos de Invincible e The Boys, ambas da concorrente Amazon Prime Video. A série estreou nesta sexta-feira, dia 7.

Essa é a primeira produção na Netflix da Millarworld – empresa de quadrinhos fundada pelo escritor Mark Millar, que foi adquirida pelo serviço de streaming em 2017. Algumas adaptações de sucesso para o cinema da empresa são Kick-Ass 2 (2013) e Kingsman - Serviço Secreto (2015), um dos filmes de ação mais emblemáticos dos últimos anos.

A história acompanha a primeira geração de super-heróis que, tendo recebido seus poderes nos anos 30, manteve o mundo em segurança por quase um século. Quando um herói assume o controle do governo, os filhos desses guerreiros lendários devem escolher entre apoiar o novo regime ou lutar para ficar à altura dos feitos grandiosos dos pais. Com o peso do legado nas costas, os herdeiros embarcam em uma jornada épica para proteger a humanidade de todos os tipos de mal que se levantam contra ela. Família, poder e lealdade se misturam nessa aventura multigeracional.

O Legado de Júpiter na Netflix vai acontecer em duas linhas do tempo diferentes: flashbacks e tempos atuais. A primeira delas no final dos anos 1920. Quando a Grande Depressão nos Estados Unidos começa, Sheldon Sampson (Josh Duhamel), seu irmão Walter (Ben Daniels) e seus colegas de faculdade alugam um barco para navegar até uma ilha que ele vê repetidamente em seus sonhos.

Sheldon acredita que esta ilha é a resposta para suas falhas e guarda um segredo que pode resgatar toda a América. Ele parece estar delirando depois de presenciar o suicídio de seu pai, mas o grupo segue sua expedição. E não é que ele estava certo? A ilha misteriosa é exatamente onde Sheldon disse que estaria e todos eles retornaram ao continente em 1933 com poderes.

A outra linha do tempo se passa nos dias atuais, e Sheldon, agora conhecido como o super-herói Utópico, líder de um grupo de heróis chamado União que protege a Terra de ameaças e vilões que surgiram após a viagem original. Sheldon e Walter discordam do que deveriam usar seus poderes para fazer – assim como os filhos de membros da União, que lutam com o peso do legado que seus pais criaram.

Os oito episódios da primeira temporada de O Legado de Júpiter vão cobrir o primeiro volume da história em quadrinhos de Mark Millar e Frank Quitely, mas também vai expandir bastante algumas partes da história. A produção vai seguir, principalmente, as cinco primeiras edições nos quadrinhos de O Legado de Júpiter – além de pedaços da prequela O Círculo de Júpiter –, onde vemos o conflito dos dois irmãos sobre o que os super-heróis deveriam fazer com seus poderes. As consequências desse conflito recaem sobre seus filhos, que até agora se recusaram a seguir seus passos.

Apesar das comparações com outras produções sobre super-heróis, O Legado de Júpiter se difere pelo seu foco no drama familiar e os conflitos entre os personagens, obviamente pela maneira que cada um encara a realidade do mundo e suas diferentes ideologias sobre como utilizar seus poderes. Além disso, há temas ainda maiores sobre a sociedade, como política e economia, tratados de forma crítica principalmente com a contextualização dos Estados Unidos durante e após a Grande Depressão.

10/05/2021

Foto: Reprodução

 

 

Ecovias

ecovias