Prefeitura entrega 237 novas vagas com ampliação de escola no Vila Sônia

Bairro contará com 400 novas vagas em creche para 2022

A Secretaria de Educação (Seduc) entregou, na segunda-feira, dia 29, a ampliação da Escola Municipal Newton de Almeida Castro, no Vila Sônia, que passa a atender mais 237 crianças. Com isso, o bairro contará com 400 novas vagas para alunos de creche, com idade de 0 a 3 anos, para 2022.

 

Esse total é resultado da extensão da EM Newton de Almeida Castro e da ampliação da EM Idalina da Conceição Pereira, entregue em julho, quando foram criadas mais 163 novas vagas.

Na EM Newton de Almeida Castro foram construídas seis salas onde ficarão as turmas de berçários I, II e III (ciclos I e II). Anexos a estes espaços estão sendo erguidos quatro solários, utilizados para recreação, dois banheiros com espaços para banho, além de pátio coberto. Para realizar tais serviços, a Seduc fez adaptações ao prédio anexo, onde funcionava a Complementação Educacional Sonia Marise Domingues. Todo o projeto segue o padrão dos prédios das escolas municipais, com pontos para instalação de câmeras de segurança, fachada revestida com cerâmica antipichação e gradis.

Em seu discurso, a secretária de Educação, professora Cida Cubilia destacou a importância da retomada das aulas presenciais com segurança. “Voltamos com atendimento em semiintegral este ano, por conta da necessidade. Para 2022, nosso objetivo é de retomar, recebendo todos os nossos alunos de creche em período integral. Assim, as famílias que necessitam de um lugar para os filhos ficarem enquanto trabalham, poderão assim fazer com toda tranquilidade e os cuidados necessários”.

A prefeita Raquel Chini esteve na entrega da ampliação da EM Newton de Almeida Castro e ressaltou que essa será uma constante nos próximos anos. “Pedi para que a Secretaria de Educação levantasse a demanda do Município para que possamos fazer a ampliação ou até mesmo a construção de outras unidades”, reforçou.

Segundo a chefe do Executivo, a Prefeitura está acompanhando também a situação das unidades estaduais. “Existe uma realidade muito diferente quando as crianças saem das nossas escolas e vão para o Estado. O Ministério Público entende que a nossa obrigatoriedade de atendimento vai até as turmas de quinto ano. Mas aos poucos, pretendemos absorver a demanda e atender 100% da totalidade de alunos do sexto ao nono na rede municipal de ensino”, finalizou.

Texto: Celso Chiavelli

Créditos: Divulgação PMPG

 

 

 

Ecovias

ecovias