Após flexibilização, número de casamentos volta a crescer

Tamires Augusto e Rogerio Almeida precisaram adiar a cerimônia três vezes

Há quase dois anos, em 2020, quando foi decretada a pandemia, o mundo começou a passar por transformações diárias. O setor de casamentos, sofreu grandes perdas e mudanças. Muitos casais tiveram que adiar ou cancelar o sonho de casar devido à incerteza de não saber o que se passaria nos próximos meses. Mas, impulsionados pela confiança proporcionada pela vacinação e pela redução das mortes por covid-19, as celebrações voltaram a acontecer.

Dados da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais indicam que o ano de 2021 - comparado ao primeiro ano da pandemia - já se destaca em relação ao número de casamentos. Enquanto em 2020, 719.052 casamentos foram registrados, em 2021, até o final do mês de novembro, foram 740.290 registros.

Dados levantados pelo Cartório Shoji em Praia Grande apontam um crescimento de 26,4% de março a outubro de 2021 em comparação com o mesmo período do ano passado. De março a outubro deste ano foram registradas 780 celebrações civis, contra 675 do mesmo período de 2020.

Casais que estavam próximos do tão esperado dia do sim, tiveram que cancelar a cerimônia, um deles é Danielle Gomes e Welton Souza, que decidiram cancelar, após adiarem duas vezes.

O casal havia decidido se casar com 11 anos de união e hoje estão há 13 anos e com uma filha. “Íamos casar em julho de 2020, mas as festas estavam suspensas, então mudamos para abril de 2021 e aí tivemos de cancelar. Independente disso, na época estávamos realizando outro sonho que foi minha gestação. Então, a data de abril ficou inválida para mim, pois estava grávida, ainda estávamos na pandemia e perdi um tio por conta do covid-19”, aponta. Danielle contou que decidiram realizar o aniversário da filha de 1 ano ano que vem ao invés da cerimônia.

No caso do casal Rayssa Ribas e Marcelo Zanotti houve as incertezas, mas o sonho de subir no altar falou mais alto. Os dois planejavam o casamento desde maio de 2020, quando perceberam uma queda nos valores dos fornece-dores. “A pandemia só nos atrapalhou na ansiedade de poder ter o casamento adiado. Quando pensamos na data, já pensamos no fim de 2021 por ter uma chance de diminuição dos casos e da possível vacinação”, explica Rayssa, que não precisou adiar nenhuma vez.

Mas se há algo que o vírus não pode tirar é a vontade de celebrar o amor. “Convidamos somente a família e amigos mais presentes, e ficamos chateados por não poder convidar todo mundo que queríamos. Todos estavam com as duas doses e fomos contemplados com um dia incrível”, comemora.

Tamires Augusto de Oliveira e o Rogerio Almeida Marques se casariam em julho do ano passado. Ela teve que adiar a cerimônia por nada menos que três vezes. Uma saga que, em julho deste ano, chegou ao fim, pois realizaram o sonho. “Estávamos planejando desde o fim de 2018 e a pandemia nos atrapalhou muito. A festa seria em julho de 2020, depois tivemos todo o transtorno de adiar, com convites prontos e quase todos entregues com a data de 2020. Por fim, quando reduzimos ainda dificultou no cancelamento com alguns fornecedores, pois grande parte deles já estavam pagos”.

Inicialmente a festa seria para 200 convidados e no fim das contas, a lista foi reduzida para 36 pessoas. “Fiquei chateada, porque tinham pessoas que gostaria que fossem. No fim das contas, achei que foi muito mais a nossa cara um casamento pequeno. Foi um dia mágico, do jeito que imaginávamos e com pessoas especiais. Hoje em dia não mudaria nada”.

Texto: Danielle Martins

Crédito: Arquivo Pessoal

 

 

 

Ecovias

ecovias