Quatro homens são condenados por assassinato de policial militar

 

Julgamento dos assassinos de Ribas ocorreu no Fórum de Praia Grande e durou dez horas

Nesta quinta-feira, dia 11, os acusados de matar o policial militar Willian Ribas a pauladas e agredir o pai dele, que é deficiente físico, em 2017, foram condenados a mais de 28 anos de prisão. Após dez horas de sessão no Fórum de Praia Grande, a sentença foi dada. Os quatro réus já estavam em prisão preventiva.

 

O julgamento começou às 9h e terminou às 21h30. A sessão contou com quatro testemunhas, sendo um policial militar, o delegado responsável pela investigação, um policial civil e o pai da vítima. Ficou estabelecido que os réus deverão pagar uma indenização de R$ 300 mil para reparação dos danos causados pelo crime, considerando as sequelas físicas permanentes das lesões sofridas pelo pai da vítima.

Os quatro réus foram condenados a prisão em regime fechado, por homícidio qualificado, corrupção de menor e homícidio tentado. Guilherme Ferreira Ramos foi condenado a 30 anos, dez meses e seis dias de prisão; Leonardo Rodrigues Aguiar a 28 anos, três meses e três dias; David Henrique dos Santos Capistrano a 51 anos, 11 meses e três dias; e Bruno Ferreira Torres Silva a 53 anos, três meses e três dias.

Crime – Dois militares estavam em serviço no dia 4 de novembro de 2017, quando foram chamados para atender a ocorrência no bairro Jardim Anhanguera. Na residência, encontraram o colega de profissão morto. O pai de Willian foi agredido com pauladas e golpes de faca pelos suspeitos. O policial estava em estado grave e foi levado ao pronto-socorro do Hospital Irmã Dulce, mas não resistiu aos ferimentos. José Amauri Ribas, pai do policial, relatou às autoridades que um dos criminosos era conhecido como “Ticonha”, teria estudado com seu filho e, se envolveu em um roubo de uma moto da vítima.

 

Poucos dias após o crime, equipes da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e da Polícia Militar (PM) conseguiram prender três envolvidos na morte do policial. E em fevereiro de 2018, Leonardo Rodrigues Aguiar, que estava foragido, foi localizado no mesmo bairro do assassinato por equipes da Força Tática.

16/11/2021

Foto: Arquivo Pessoal

 

 

Ecovias

ecovias