Atividade física pode reduzir o câncer de mama em 13%

Objetivo é dar acesso à rede de serviços do Município para mudança de vida

Cerca de 13% dos casos de câncer de mama em 2020 no Brasil (aproximadamente 8 mil ocorrências) poderiam ser evitados pela redução de fatores de risco relacionados ao estilo de vida, em especial, da inatividade física. Além disso, quase 13% dos gastos federais do SUS em 2018 com o tratamento de câncer de mama (R$102 milhões) seriam poupados pela redução de fatores de risco comportamentais, mais uma vez com atenção especial à atividade física, que detém a maior fração (5%) dos casos de câncer de mama evitáveis com adoção da prática.

Os dados são da pesquisa Número de casos e gastos com câncer de mama no Brasil atribuíveis à alimentação inadequada, excesso de peso e inatividade física, elaborada pela Coordenação de Prevenção e Vigilância (Conprev) do Instituto Nacional do Câncer (INCA). O levantamento faz parte de um estudo mais amplo que estimou o impacto da má alimentação, do consumo de álcool, do excesso de peso, da inatividade física e do não aleitamento materno, em 2008, nos casos de câncer de 2020, e nos gastos do SUS, em 2018.

Entre os desafios para uma mudança de cenário está o fato de 28% das mulheres espalhadas por 20 países não perceberem a ausência de atividade física como um fator de risco para o câncer, segundo pesquisa de 2020 da União Internacional para o Controle do Câncer.

Em 2019, os gastos diretos do SUS atribuídos ao câncer de mama foram de R$ 848 milhões (22,8% dos gastos diretos com o tratamento oncológico de todos os tipos de câncer). Nas próximas duas décadas, o número de casos deve crescer 47% e os gastos federais terão acréscimo de 100%. Por isso, o diagnóstico da necessidade de investimentos na prevenção primária da doença.

Em 2019, o Brasil registrou 18.068 mortes por câncer de mama. O Inca estima que até 2030 haverá estabilidade das taxas de mortalidade para mulheres na faixa etária entre 30 e 69 anos, mas a projeção ainda está bem distante da meta de 30% de redução estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU). Os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável preveem, até 2030, reduzir em um terço as mortes prematuras por doenças crônicas não transmissíveis, entre elas, o câncer.

PROGRAMAÇÃO – Praia Grande segue com atividades alusivas ao Outubro Rosa. No último dia 14, o Palácio das Artes foi iluminado com a cor rosa e até o final de outubro ficará assim. Por enquanto, apenas esse equipamento recebeu a cor alusiva.

Além disso, os frequentadores do Programa Conviver tiveram aula de ginástica diferente na quinta-feira, dia 14. O grupo se reuniu na praça Portugal, na praia do Guilhermina. A aula em alusão ao mês juntou mais de 100 participantes. O objetivo foi conscientizar sobre a prevenção do câncer de mama e proporcionar uma atividade divertida.

As funcionárias do setor administrativo da Secretaria de Serviços Urbanos (Sesurb) participaram de evento alusivo ao mês. A ação foi realizada dia 8, na sede da Sesurb, no Boqueirão. Durante a oportunidade as servidoras trocaram experiências e informações sobre o tema e a secretária municipal do setor, Soraia Milan, informou a todas sobre a rede pública de atendimento oferecida na Cidade. Durante o encontro, aproximadamente 20 funcionárias foram vestidas de rosa, em alusão à campanha.

19/10/2021

 

Ecovias

ecovias