Plano SP muda normas e região fica na fase amarela

Mudanças no Plano envolvem ampliação de horários e segmentos na fase laranja e restrição dos critérios de saúde para avanço à fase verde


A Baixada Santista permanece na fase amarela do Plano São Paulo, que define a retomada econômica na pandemia, mesmo após as mudanças impostas pelo Centro de Contingência do coronavírus no Estado, que ao mesmo tempo em que liberou novos segmentos em fases de controle, endureceu os critérios de saúde que compõe algumas das cinco fases do plano.

A medida foi anunciada sexta-feira, dia 8, e será válida até 5 de fevereiro, quando outro balanço será realizado. As regiões podem regredir a qualquer momento caso os índices e a capacidade hospitalar piorem.

A reclassificação aconteceu após dois adiamentos, já que estava marcada para o dia 4 e depois foi passada para o dia 7.

Além da Baixada, outras 12 regiões permaneceram na amarela, o que representa 90% do Estado, regredindo apenas Registro, Marília e Sorocaba para a fase laranja. Já Presidente Prudente avançou para a laranja depois de ficar na vermelha, por decisão do Estado, após deixar todos os locais na etapa mais restrita de 24 a 27 de dezembro e de 1º a 3 de janeiro, o que permitia somente a abertura de serviços essenciais.

Só que a partir de segunda-feira, dia 11, haverá mudanças nos critérios de progressão de uma fase para outra, entre a laranja (segunda etapa e de controle), amarela (terceira e de flexibilização) e verde (quarta e menos restrita), o que altera os horários e segmentos que podem funcionar.

A chamada recalibragem permitiu a ampliação dos segmentos liberados nas fases amarela e laranja, com recomendação que a população evite circular à noite, após o fechamento do comércio. Academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros e parques estaduais passam a funcionar na fase laranja.

Todas as atividades liberadas passam a abrir de quatro a oito horas por dia, e a capacidade de público também sobe de 20% para 40%. Porém, todos os comércios devem encerrar o atendimento presencial às 20h. O consumo em bares está totalmente proibido.

A alteração na fase amarela permitirá 40% de ocupação para todas as atividades liberadas, incluindo parques estaduais e expediente de até dez horas diárias. O atendimento presencial terá que ser encerrado às 22h em todos os setores. Nos bares, as portas devem fechar ao público às 20h. Atividades como festas e shows continuam proibidos.

No entanto, o Estado endureceu a possibilidade de progressão de qualquer região novamente à fase verde, que permite a maioria das atividades não essenciais com menos restrições de horário e público. Cada região precisará alcançar 30 internações por 100 mil habitantes e três mortes por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, além de passar 28 dias seguidos na fase amarela, antes de avançar novamente.

Os critérios de saúde na fase laranja também ficam mais rígidos. O limite máximo de ocupação de leitos de UTI passa de 75% para 70% em cada região. Também há mudanças nos indicadores de variação para casos, mortes e internações, com parâmetros para todas as fases do Plano SP. Se a ocupação de UTIs superar 80%, poderá haver recuo para a fase vermelha.

11/01/2021

 

 

Ecovias

ecovias