Escolas da rede estadual poderão iniciar ano letivo de 2021 em 1º de fevereiro

Mesmo com previsão, data para retorno 100% presencial depende do decorrer da pandemia até lá, da liberação da Secretaria de Saúde

 


O calendário escolar da rede estadual de 2021 deve iniciar em 1º de fevereiro, de acordo com informações divulgadas pelo secretário de Educação do Estado, Rossieli Soares na quarta-feira, dia 11. Apesar da previsão, o começo do ano letivo dependerá da determinação da área da Saúde por conta da pandemia do coronavírus.

“A gente está organizando o calendário para ter um ano mais próximo do normal possível. É claro que daqui até lá a vamos avaliar e olhar sempre com a área da Saúde, com as atividades presenciais, com os nossos estudantes e com as escolas funcionando. Até lá vamos entender se é o todo ou se é uma parte”, afirmou.

O calendário escolar prevê um recesso de uma semana após o primeiro e terceiro bimestre em abril e outubro, respectivamente, além das férias de 15 dias em julho. As aulas devem ir até o fim de dezembro.

As aulas regulares presenciais foram autorizadas a retornar em 7 de outubro. Desde setembro houve a liberação de atividades complementares e reforço e desde 3 de novembro a volta gradual do ensino médio e Ensino de Jovens Adultos (EJA) na rede estadual. No entanto, cada município é quem define o retorno das aulas.

REPROVAÇÃO – Além da avaliação aplicada aos alunos em dezembro para diagnosticar o que foi assimilado durante as aulas remotas, os estudantes farão uma nova avaliação em janeiro.

Segundo Soares, essas avaliações diagnósticas vão dar ao Estado um parâmetro e customizarão a recuperação para entender como está cada um dos estudantes, em que estágio e que ponto estão nas habilidades essenciais. O planejamento prevê que os alunos sejam avaliados nos anos de 2020 e 2021 como um único ciclo de aprendizagem.  Assim, haverá uma tolerância com os estudantes que entregarem as atividades exigidas, esperando que seja alcançado apenas um ‘mínimo’ de aprendizado.

Ainda na quinta-feira, dia 11, a Secretaria de Educação do Estado informou que os que fizeram o mínimo de atividades no período de aulas remotas não serão reprovados, ainda que a ensino esteja abaixo do esperado.

Conforme Rossieli Soares cerca de 15% dos estudantes da rede, o equivalente a 500 mil alunos, não entregaram atividades durante aulas remotas e podem ser reprovados. As atividades podem ser feitas pela internet ou pelo material impresso que, de acordo com o secretário, tem sido distribuído nas escolas.

O titular da pasta estadual disse ainda que vem sendo feito um trabalho de busca dos estudantes que não têm acompanhado os exercícios. Para Rossieli, além das dificuldades de acesso à internet por parte dos jovens, muitos perderam o interesse na escola durante a pandemia. Por isso, a Secretaria está se preparando para receber que vão chegar com dificuldades, com a contratação de 10 mil professores de reforço.

16/11/2020

 

 

 

Ecovias

ecovias