Câmara de PG aprova projeto de lei que institui o Dia do Paradesporto

No retorno do recesso de julho, vereadores aprovaram projeto de lei e requerimento na primeira sessão do semestre

 

Com o objetivo de fomentar a prática esportiva entre as pessoas com deficiência e incentivar os paratletas de Praia Grande, a Câmara aprovou, na sessão de terça-feira, dia 4, o Projeto de Lei nº 3/20, de autoria do vereador Hugulino Alves Ribeiro (PSDB), que institui o Dia Municipal do Paradesporto, a ser celebrado anualmente em 22 de setembro.

Na justificativa da proposta, o autor salientou que o paradesporto refere-se aos esportes adaptados para pessoas com deficiência física, auditiva, intelectual ou visual e destacou a importância da prática para os paratletas. “Quando fui secretário de Esportes pude acompanhar a luta desses paratletas e os resultados que trouxeram para Praia Grande. Mais que isso, vi a importância que o paradesporto tem na vida dessas pessoas, muitas saíram da depressão, ganharam vida quando descobriram a prática esportiva. Da mesma forma a importância que eles tem para a Cidade, devido aos ótimos resultados em competições regionais, nacionais e até internacionais”, ressaltou.

Hugo Ribeiro comentou ainda que este ano foi bem difícil para os paradesportistas devido à suspensão das competições por conta da pandemia mundial causada pelo novo coronavírus. “Espero que o Executivo entenda a importância dessa lei e que ela seja sancionada, como forma de incentivar esses paratletas, para que ano que vem retornem com tudo às competições”, finalizou.

TRANSPORTE ESCOLAR – Ainda na sessão foi aprovado o Requerimento nº 231/20, de autoria da vereadora Janaina Ballaris (PL), questionando o Executivo sobre a renovação do alvará e a cobrança de diversas taxas durante o período de pandemia.

A parlamentar questionou se existe possibilidade de renovação automática, sem cobrança de taxas, já que os transportadores escolares estão sem trabalhar desde março? “Apesar do Governo do Estado estabelecer para setembro o retorno das aulas, com capacidade reduzida nas escolas, não se sabe como ficará isso ainda e assim que acabarem os 90 dias do novo prazo dado pelo Município eles já tem que pagar um total de R$ 1,1 mil, além de ter que apresentar comprovante de recolhimento do ISS de 12 meses, além de documentos renovados como CNH e do veículo. Não é possível dar uma resposta agora para esses transportadores? É justo deixar 130 famílias sofrendo sem saber como vai ficar essa renovação?”, perguntou a parlamentar.

06/08/2020

 

 

Ecovias

ecovias