Carnaval e Parada LGBT são adiados por conta da covid-19

Data oficial do Carnaval 2021 será definida em conjunto com as escolas de samba e com outras cidades paulistas que também organizam os eventos

Em São Paulo, o Prefeito, Bruno Covas (PSDB), anunciou o adiamento do Carnaval 2021 por causa do coronavírus. Nem escolas de samba e nem blocos de rua desfilarão em fevereiro. A parada do Orgulho LGBT presencial de 2020, que já havia sido adiada do primeiro para o segundo semestre, também foi cancelada. A edição de 2021 foi adiada para novembro do próximo ano.

Os dois eventos, junto com a prova brasileira de Fórmula 1, também cancelada pelos organizadores, são os que mais trazem turistas e dinheiro à capital paulista. O adiamento foi discutido em reunião entre a Liga das Escolas de Samba de São Paulo e Covas na quinta, dia 23. A Liga defendeu uma nova data da festa para que as escolas pudessem preparar para o desfile. A proposta apresentada ao governo era que de o evento acontecesse em maio.

Segundo o prefeito as três semanas de desfiles de blocos de rua e de escolas de samba renderam aos cofres da cidade cerca de R$ 2,75 bilhões. A data oficial do Carnaval 2021 será definida em conjunto com as escolas de samba e com outras cidades paulistas que também organizam os eventos.

Não será o primeiro ano em que o Carnaval é adiado. A mudança já aconteceu outras vezes no Brasil. Em 1892, a festa foi transferida para o dia 26 de junho devido ao acúmulo de lixo nas ruas causado pelos foliões. O adiamento no entanto, não deu certo, e naquele ano o Carnaval foi comemorado duas vezes em fevereiro, a revelia do governo, e na data oficial em junho.

A Parada do Orgulho LGBT que aconteceria na avenida Paulista no dia 29 de novembro, foi cancelado também. Em junho, quando tradicionalmente a parada é realizada, o evento ocorreu de forma virtual, com a Paulista iluminada com as cores do arco-íris.

PRAIA GRANDE – A Prefeitura de Praia Grande informou por meio da Secretaria de Cultura e Turismo (Sectur), que ainda não há definição quanto à realização do Réveillon, mas segue atenta às diretrizes determinadas no Plano SP sobre eventos, que propõe formatos diferentes de acordo com a fase da região.

Neste momento, a queima de fogos, assim como outros eventos que gerem aglomeração no Município (como a própria Parada LGBT), está suspensa. A Sectur salienta que está avaliando internamente novos modelos de eventos que possam ser possíveis para a temporada de verão a fim de minimizar problemas com a alta demanda de pessoas e divulgará posteriormente todas as iniciativas que serão tomadas para essa época do ano.

30/07/2020

 

 

 

Ecovias

ecovias