Ferramenta eletrônica ajuda mulheres vítimas de violência na pandemia

Programa direciona mulheres à ajuda necessária

Mulheres vítimas de violência doméstica durante a pandemia do coronavírus ganharam um aliado para se defenderem e denunciarem as agressões que estejam sofrendo, sem despertar a atenção do agressor. Trata-se de uma assistente virtual que, por meio de um chatbot, programa de computador que tenta simular um ser humano na conversa e oferece uma forma silenciosa pedir ajuda e receberem orientações dentro de suas próprias casas.

A ferramenta resulta de parceria entre o Instituto Avon, a Uber e a agência de publicidade Wieden+Kennedy. De acordo com a diretora de criação da agência, Mariana Borga, a assistente virtual foi criada com a ideia de ter uma identidade que pudesse se camuflar entre os contatos da vítima e, ao mesmo tempo, transmitisse o papel acolhedor da iniciativa.

O número disponibilizado é o (11) 944942415, que funciona para todo o País e é Whatsapp. Ali, após responder a algumas perguntas que identifiquem o grau de risco que a pessoa corre, a vítima recebe o suporte apropriado.

Segundo os parceiros, se houver necessidade de a pessoa agredida ir até um hospital, unidade de saúde, delegacia ou um centro de assistência social e psicológica e orientação jurídica em situação de violência, ela receberá um código que dará direito a uma viagem gratuita no aplicativo da Uber para esse deslocamento.

VIOLÊNCIA - Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) divulgados mês passado revelam que os atendimentos da Polícia Militar a mulheres vítimas de violência aumentaram 44,9% em São Paulo no período de pandemia da covid-19, na comparação entre março deste ano com o mesmo mês do ano passado.

O total de socorros prestados evoluiu de 6.775 para 9.817. Da mesma forma, foi constatada expansão da quantidade de feminicídios, que passou no estado de 13 para 19 casos, alta de 46,2%. No Rio de Janeiro, a Justiça do Estado registrou aumento em torno de 50% dos casos de violência doméstica após o início da quarentena.

07/05/2020

Foto: Divulgação/AgBr

 

Ecovias

ecovias